O futuro da educação está sendo construindo hoje. No mundo pós-pandemia, tecnologia no ensino, mindset digital, metodologia ágile e lifelong learning passarão da tendência para a realidade em boa parte das instituições de ensino.

Estamos vivendo na prática a indissociabilidade entre o uso da tecnologia e as atividades presenciais. Na educação, vemos isso na prática com o ensino híbrido. Nesse contexto, a tecnologia deve ser vista como uma infraestrutura básica, pois viabiliza integração on-line e off-line e potencializa o desenvolvimento contínuo de competências voltadas para o mercado.

 

Tecnologia e mindset digital no cerne do ensino

A tecnologia tem um papel central no cenário que está se desenhando. Com ela, será possível ultrapassar os muros da escola, ampliar o acesso a uma educação de qualidade e contribuir na construção de um grande ecossistema da educação.

Além disso, em um mundo cada vez mais digital, as instituições de ensino passarão a adotar a Big Data e a inteligência artificial para analisar e propor estratégias de ensino mais eficazes para a aprendizagem de cada estudante, contribuindo, assim, para que o processo pedagógico seja mais engajador e efetivo. Esse conjunto de informações também poderá ser utilizado para potencializar a formação e capacitação dos professores.

No entanto, para que isso dê certo, modelos analógicos precisam ser revistos, reconfigurando a mente para um mindset digital, focado em um ambiente de ensino e aprendizagem apoiados pela tecnologia. Com isso, todos os atores do processo estarão estimulados a identificar soluções criativas e propor ideias inovadoras.

Para estimular essa mudança, podem ser elaboradas atividades que destaquem a importância da tecnologia, focando na possibilidade de desenvolver habilidades.

 

Inteligência Artificial e Big Data

Geralmente associamos Inteligência Artificial a robôs e cenários futuristas. No entanto, a IA está mais próxima e acessível do que imaginamos e pode estar inserida no contexto educacional, ajudando a criar um ensino mais personalizado, flexível e inclusivo.

A tecnologia pode auxiliar e facilitar processos, ampliando as capacidades do professor e permitindo que ele foque mais na atenção individualizada aos estudantes para apoiar o processo de aprendizagem. Entre exemplos que facilitam isso, estão sistemas que ajudam a correção de textos e até a organizar chamadas e grupos.

Ao lado dos alunos, está o “tutor inteligente”, uma inteligência artificial que apoia o professor na organização e disponibilização do conteúdo que será ensinado, além de identificar os conhecimentos que o estudante já tem. Ao usar a plataforma, os dados da interação vão sendo capturados e o próprio sistema atualiza os modelos, guiando um fluxo de aprendizagem personalizado para cada um.

No entanto, para que isso funcione e consiga processar as diversas informações (chamada Big Data) de uma plataforma acessada por milhares de alunos, são necessárias ferramentas de IA como aprendizado de máquina. Assim, quanto maior for a comunidade de aprendizagem na plataforma, mais personalizada será a aprendizagem.

O conhecimento não se esgota, não se limita e sempre se reinventa. Mudar implica se distanciar dos padrões estabelecidos para alterar o modo como a educação é pensada. Por isso, o Instituto Ânima apoia e faz parte do (Des)aprenda, um movimento aberto e gratuito que tem como objetivo compartilhar conhecimentos e metodologias para a profissionalização e valorização docente.

Clique aqui para conhecer o site do movimento.