O centro da ideia de educação é a transformação da sociedade em que vivemos.
Ampliar a visão de mundo e criar possibilidades, para que o próprio aluno possa buscar novas realidades para sua vida são, nesse sentido, os maiores objetivos quando pensamos no impacto social que o aprendizado traz.

No entanto, para atingir tais patamares e torná-los cada vez mais possíveis, precisamos rever práticas e metodologias de ensino em sala de aula. Desde a linguagem utilizada pelo educador até a escolha dos exemplos relacionados à realidade do estudante para significar a aprendizagem, promover a inclusão e a diversidade.

Educação empreendedora
A educação empreendedora tem se mostrado uma ótima alternativa para promover impacto social em um momento no qual as pessoas buscam investir nos próprios sonhos e ideias como fonte de renda.

Acreditamos que, por ajudar os alunos a desenvolverem habilidades para a vida, com esse sistema eles saem com uma formação mais versátil, capacitados a criar projetos, resolver problemas e criar soluções novas. Com mais competências, não só a inserção no mercado de trabalho é facilitada, como também as mudanças econômicas e sociais acontecem.

Inclusão e diversidade
Nesse contexto de adaptação do ensino e aprendizagem, a educação para o impacto social deve estimular a inclusão e diversidade. Isso porque reconhecemos que a sala de aula está cada dia mais diversa, com estudantes que vêm de diferentes contextos e realidades.

Construir o ambiente da sala de aula com mais debates e discussões com diferentes exemplos e vivências, melhora a validação da aprendizagem, garante o aproveitamento de talentos, mas demanda um esforço maior e contínuo de toda a rede – dos alunos aos professores. Isso significa escutar a todos, entender necessidades, desviar de estigmas e se livrar de julgamentos.

Protagonismo
Estimular o protagonismo e proatividade do estudante também precisa partir da sala de aula, desde o ensino fundamental, até a universidade. Um estudante com esse perfil se empenha mais no próprio desenvolvimento porque conquista voz ativa no ambiente de ensino, ao contrário de uma postura mais passiva no processo de aprendizagem.

Assim, o ideal é que o estudante faça mais do que copiar conteúdo e se inclua em debates sobre a realidade de onde ele vive. Estimulando, assim, a criatividade, o pensamento crítico, desenvoltura e posicionamento diante de diferentes situações.

Se você se interessa por esse tema e quer ver quem entende do assunto discutindo sobre novos rumos para a educação e o impacto social, confira o encontro virtual realizado pelo Instituto Ânima.

Clique e acesse nosso canal no YouTube.