Estamos finalizando o primeiro semestre do ano escolar e precisamos nos planejar para o próximo. Nesse período de planejamento escolar precisamos envolver todos os atores do processo educacional na definição de objetivos e estratégias, pois muito mais do que determinar os conteúdos das disciplinas, é hora de repensar a escola, seu papel e sua missão no período em que estamos vivendo.

PLANEJAMENTO CURRICULAR

O planejamento curricular ocupa um lugar central no processo de ensino-aprendizagem. Tanto nas teorias que discutem os aspectos centrais da formação de professores quanto nos estudos que demonstram características de um ensino de qualidade com efetividade, observamos que um bom planejamento é essencial para assegurar clareza e coerência com relação ao que se ensina e o que se aprende.

É por meio do planejamento que garantimos a coerência entre os objetivos de aprendizagem e as atividades de ensino, bem como a conexão entre os diferentes tópicos trabalhados ao longo do ano. Um bom planejamento não é uma simples lista do que será feito em aula ou de quais tópicos serão cobertos, mas antes um mapa detalhado de conhecimentos a serem trabalhados, procedimentos a serem desenvolvidos, e evidências de que a aprendizagem se efetivou. Nesse sentido, é fundamental que os professores tenham oportunidade de compreender quais aspectos teóricos e práticos podem auxiliá-los na elaboração de seus planejamentos.

PLANEJAMENTO REVERSO

Professores são planejadores, e não podemos ensinar qualquer tópico que escolhemos, pois somos guiados por orientações curriculares que especificam o que os alunos devem saber e ser capazes de fazer. Além dessas orientações os professores devem estar preocupados com as necessidades dos variados alunos que tem em sua sala para conseguir planejar as experiências de aprendizagem.

O planejamento reverso vem com a ideia de que nós, professores, devemos fazer uma importante mudança no nosso pensamento sobre a natureza do nosso trabalho. A mudança envolve inicialmente pensar nas aprendizagens específicas almejadas, antes de pensar sobre o que nós, como professores, vamos fazer ou oferecer nas atividades de ensino e aprendizagem. Embora o hábito nos leve a pensar no que ensinar e como ensinar, o grande desafio é focar primeiro nas aprendizagens desejadas a partir das quais o ensino apropriado irá desenvolver. Nossas aulas devem ser logicamente inferidas dos resultados buscados, e não derivados de métodos, livros e atividades com os quais nos sentimos mais à vontade.

ESTÁGIOS DO PLANEJAMENTO REVERSO

O Planejamento Reverso é dividido em três estágios, são eles: Identificar os resultados desejados, determinar evidências aceitáveis e planejar experiências de aprendizagem e ensino.

No estágio 1 devemos considerar os nossos objetivos, examinar os padrões de conteúdo estabelecidos (nacionais, estaduais e municipais) e revisarmos as expectativas do currículo. Aqui precisamos ter clareza quanto as prioridades.

No estágio 2 precisamos responder as perguntas, como saberemos que os alunos atingiram os resultados desejados? O que iremos aceitar como evidencia da compreensão e da proficiência dos alunos?

Por último, no último estágio do planejamento reverso, tendo em mente os resultados desejados e as evidências apropriadas da compreensão e hora de definir qual atividade de ensino mais adequada ao objetivo de aprendizagem.

Para entender melhor esses estágios e como colocamos em prática o planejamento reverso para o planejamento de aulas online, convido vocês a participarem da oficina que preparamos para vocês!

Se você se interessou pelo tema e quer aprofundar no assunto, clique aqui e se inscreva para participar do Workshop Planejamento Reverso no presencial e no On-line.

Autora: Alessandra Pereira